domingo, 20 de maio de 2012

REVISTA INFIEL n. 8 (234 fotos)

Revista INFIEL n. 8, uma revista inteiramente dedicada as noivas e recém-casados. Fique sabendo tudo o que acontece no casamento de um corno.




EDITORIAL

Enfim o casamento! Cada passo é fundamental para que tudo dê certo no grande dia.
Organizar os preparativos do casamento não é tarefa fácil! Igreja, festa, convidados, lista de presente, lua-de-mel, músicos, fotógrafos, comida, seguranças, muita coisa para escolher e decidir!
Fazer uma lista dos preparativos por mês de tudo que precisará organizar antes de se casar facilitará muito a sua vida e te deixará mais tranquila para fazer as coisas com calma.

Lista de preparativos do seu casamento

12 meses antes do casamento:
  • Escolha a data, reserve os locais de cerimônia religiosa e da recepção.

Você pode optar por um local aberto, como um sítio.


Ou por um local fechado como salão de festas.


  • Faça o orçamento de quanto poderá gastar (já estudando a lista de convidados).

10 meses antes do casamento
  • Pesquise bufê, peça opinião para saber se você combina com o local.

  • Fotógrafos e vídeo-makers.







  • Músicos ou DJs.









6 meses antes do casamento
  • Convide pessoalmente os padrinhos, daminhas e pajens.




  • Comece a definir o vestido e marcar as provas.












  • Escolha o padre, contrate o bufê, pesquise doceiras e contrate as empresas responsáveis pelas fotos, som e vídeo. Essa é a hora de pechinchar. Use o que você tem de melhor para conseguir aquele precinho especial.




  • Encomende os convites, doces e bolos, a decoração da Igreja (floristas) e defina o salão onde ocorrerá a recepção. Tente inovar nos convites, fazendo algo bem ousado.

  • Você pode também já escolher quem vai tocar na cerimônia e na festa!

  • Se for viajar para o exterior, providencie os passaportes e vistos. Um amigo na embaixada sempre pode ajudar, numa hora destas.

4 meses antes do casamento
  • Providencie os documentos e marque a data do casamento no civil. Decida como vai ficar o seu nome e qual regime de comunhão de bens vão optar. Defina se ele vai poder ter relações ou até mesmo se ele  vai poder te tocar e te chupar. Do contrário, deve ficar bem claro que o papel de corno se limita a olhar.
 
  • Faça a degustação dos pratos que serão servidos e escolha as bebidas.





2 semanas antes do casamento

  • Faça as últimas provas do vestido, maquiagem, cabelos, sapatos e acessórios.






















Alguns dias antes da cerimônia
  • Deixe este período somente para a prova do cabelo, maquiagem, prova final do vestido de noiva e traje do noivo.



















  • Certifique-se de que tudo que foi contratado está sendo cumprido dentro do prazo e confirme sua lua-de-mel e núpcias (hotel, transporte) para evitar imprevistos.








  • Momento também da noiva se cuidar: fazer uma limpeza de pele e uma depilação com uma semana de antecedência.









  • Revise se não esqueceu nada, confirme com os padrinhos se está tudo certo para o dia do casamento.









Um dia antes do casamento
Confirme o carro, cabeleireiro, manicure, fotógrafo, e hotel se for se arrumar lá ou dia da noiva no local escolhido. Confirme o buquê, arrume a mala para a noite de núpcias e a viagem.












No dia do casamento
Reserve uma ótima noite de sono, alimente-se bem, relaxe e curta seu dia!











Depois do casamento
Aproveite a lua de mel com o maridinho, mesmo que seja só para satisfazer o desejo dele de ser agora um corno oficial.



Agradeça os presentes no prazo de um mês. Troque os presentes que precisar em até 45 dias - prazo máximo que a maioria das lojas estipula.


***

CONTO ERÓTICO

Sodomizada Pelo Meu Tio

Marcelo era dez anos mais velho que eu, que tenho 18 aninhos, me chamo Suzana mas todos me tratam por Zu. Por coicindência me pareço bastante com a Tiazinha, porém nada em mim é siliconado e devo ter uns dois kilos a mais que ela.
Eu não tinha noção de quanto eu atraía os homens, até quando me disseram que eu era tão ou mais bonita que a já citada modelo.
Marcelo estava bem de vida pois já era um dos gerentes numa das firmas de um grupo industrial, onde meu tio Rafer era sócio. Marcelo além de ser muito bonito e bastante experiente achava e eu concordava (puro engano) que nem tudo em quatro paredes era permitido. Que homem maravilhosamente babaca!
Cheguei a esta conclusão (da babaquice) quando meu tio Rafer me comeu de todas as maneiras.
Marcelo nunca iria entender que eu só precisava ficar sem fôlego enquanto uma rolona poderosa deslizava em todos meus recantos, orifícios e reentrancias, me deixando toda melada, suada e gosmenta.
Aprendí que a dominação gentil de um macho é mais forte que a dominação viril dele. Quanto mais eu me entregava e me deixava levar pelas taras de meu tio, mais eu fazia ele vir atrás de mim.
Eu fingia que era chantageada por ele pelo que vou contar a seguir.
Já estou casada há três anos e ainda somos amantes.
Marcelo cada vez mais se dedica ao trabalho e já estamos querendo filhos. Não sei se conseguirei parar com titio quando isto acontecer.
Muito bem, quando toda família soube de nossa decisão de ficarmos noivos, exultaram de alegria, pois minha mãe Raquel, que estava divorciada, via com bons olhos meu noivinho Marcelo.
Meu tio Rafer como sempre, me apoiou.
Meu pai morava no estrangeiro. Meu pai descobriu que mamãe tinha um amante, mas nunca soube quem era, e no desespero ele foi imprudente e acabou sentenciado por dois anos por tentativa de homicídio.
Meu tio Rafer conseguiu abafar o escandalo e foi ele que conseguiu que meu pai fosse trabalhar no estrangeiro.
Bom, isso é passado. Marcelo, como sempre ocupado, me incubiu de comprar as alianças, tio Rafer me ajudaria, já que ele conhecia as melhores joalherias, e aí que entra meu grande vício: eu sou vidrada em jóias. A visão faiscante de uma pedra preciosa ou brilho fosco do ouro é puro gozo pra mim.
Estamos numa sala privada ricamente decorada sendo atendida por uma senhora finamente vestida enquanto num canto meu tio e o gerente, bebendo whisky, conversam. Na época eu não sabia que o que eu sentia era pura excitação sexual.
Estando naquela sala, no meio daquelas esplenderosas jóias me fazia respirar com certa imperceptível dificuldade.
Todas as partes do meu corpo que se tocavam me davam frisson, meus mamilos endureciam tanto que doiam. Eu sentia toda minha fenda, do início do osso sacro até meu grelinho, se umedecer, ficando molhada dos fluídos que eu expelia pausadamente como um gozo se aproximando.
A senhora me deixou por instante para pegar outra bandeja de anéis. Num átimo apanhei um radiante colar de pequenos diamantes e platina e escondí-o entre e por baixo de meus seios. Foi a glória suprema. Eu permanecia excitadíssima.



 Escolhí um anel qualquer, meu tio pagou, fomos embora. Meu tio abriu a porta da sua Pajero e me ajudou a subir. Tomamos o caminho de um parque, que aqui seria como o Aterro do Flamengo, no Rio de Janeiro.
Numa viela, de pouco movimento e que não passava pedestres, meu tio estacionou. Ele tirou Ray-Ban, virou-se em minha direção e por uns segundos me olhou fixamente, me pertubando instintivamente pois eu o via agora como um belo homem maduro.
Então veio o tapa.
O calor da palma de sua mão em minha face ardeu enquanto estalava me fazendo ver os mesmos clarões de um diamente. Eu adivinhei naquele momento que ele sabia que eu havia furtado o colar.
O medo me fez começar a choromingar, parecendo que eu estava com soluço quando veio outro tapa. Então meu tio Rafer segurando meu rosto com ambas as mãos me forçou a beijá-lo.
Eu estava assutada e custei a reagir aos beijos ardentes que ele me dava.
Eu pensava em Marcelo, que já me possuíra, jurando amor eterno, do seu jeito suave de me amar. Como podia eu ter me metido naquela situação, justo quando íamos ficar noivos e logo com meu tio Rafer, por quem nunca me sentira atraída.
Eu comecei a sentir algo estranho que me impelia a abrir minha boca engolindo, chupando sua língua sinuosa que se enroscava na minha.
Num ímpeto de querer terminar tudo aquilo, desejando morrer, com um único puxão de minhas mãos, abrí minha blusa, expondo meus já entumecidos seios com o escalarte colar entre eles e uma das pontas pendurada num dos mamilos como se fosse esperma escorrendo que tivesse se petrificado.
Os olhos semi-fechados de Rafer me admiravam toda. Sua boca aberta de desejo brilhava em toda a volta, o que me fez pensar que eu também deveria estar toda lambuzada.
Tio Rafer me alisou as ancas por um momento, levantou minha saia e ordenou que levantasse a bunda do assento e que facilitasse a tirada da calcinha. Eu relutei.
Queria, mas relutei, porque eu não queria aceitar aquelas sensações que faziam o doce rosto de Marcelo se desnuviar em minha mente!
Tio Rafer então arrancou minha calcinha num só puxão. E como um tremendo flagrante, minha bucetinha brilhava e exalava meu cheiro de fêmea faminta de macho.
Rafer enquanto abria minhas coxas, as suspendia fazendo minha xota se expandir voluptuosamente. Eu pensei que ele fosse me possuir com seu pênis.
Maravilhosa surpresa, ele me possuiu com sua língua de fogo. Não resiti mais. Pedi que ele me punisse, fizesse o que quizese comigo desde que não parasse nada naquele momento e não contasse nada ao Marcelo.
Quanta ingenuidade. Meu tio já sabia que eu estava rendida, entregue, dominada. Eu tentava parecer vitíma das circunstâncias, adorando aquela língua que deixava rastros de prazer brilhando junto com meus sumos.
Nunca, nunca tinha sido premiada com tal requintada carícia. Pobre Marcelo, como eu poderia ser só dele agora?!
Rafer me sugava com bastante ardor enquanto eu acariciava seus cabelos dando ritmo ao êxtase que estava bem próximo. E chegou com tanto brilho quanto os diamantes, objetos de meu desejo, que me ofuscaram mometanenamente.
A partir daí eu já sabia que gozaria junto com Tio Rafer quando derramasse seu esperma em minha boca e quando me usasse e abusasse, gentilmente expandindo meus orifícios com sua maravilhosa tora.
Naquele momento eu previa isso tudo. Só não sabia como.
Quando voltei a realidade, ainda enfraquecida, tio Rafer me beijou ternamente, dizendo que me amava como fêmea e que me queria de todas as formas.
Eu implorei que ele esquecesse tudo aquilo, que eu só amava o Marcelo!
Meu tio com um leve sorriso sarcástico no rosto respondeu que tudo bem, que minha xotinha seria do Marcelo até o dia do casamento, mas que o resto do meu corpo seria dele.
Intimamente eu exultei de frenezi, sem deixar que ele notasse, e fazia cara de submissa aceitando aquilo por força de "meu erro". Titio mais um vez me beijou ardentemente, me deixando sem fôlego.
Ligou o carro, dizendo que íamos pra sua cobertura para "tomar posse do que era dele"!!
Enquanto eu me recompunha, abotoando minha bluza e ajeitando a saia, (a calcinha estava rasgada e no bolso do meu tio Rafer), o assento embaixo de mim estava molhado da saliva de meu tio e dos meus gozos. Que boca, que língua. E que gozo ele me deu.
Meu noivo Marcelo nunca me chupou tão profundamente como meu titio. O máximo que Marcelo tinha feito foi dar uns beijinhos nervosos, de como só cumprir obrigação, e mesmo assim não passou do meu monte-de-vênus.
Agora eu sabia como uma mulher deve ser chupada! Como eu iria querer ser chupada.
Parece que meus odores me traiam e afetavam meu tio. Ele mudou de idéia dizendo que "ía tomar posse do que era dele o quanto antes"!
Agora ele dirigia numa região onde tinha os melhores motéis da cidade, e entramos num.
Antes de subirmos a escada para o quarto, tio Rafer mandou eu tirar a saia e subisse na frente! Por um breve momento me senti humilhada por estar expondo minha bunda carnuda e bamboleante enquanto subia os degraus, mas também aquilo me excitava, sabendo que os olhos de tio Rafer me devoravam.
Sabia que ele iria me comer de todas as formas. Não de todas as formas
Como ele disse antes: minha bucetinha seria do meu noivo, o resto era dele.
Oh! De repente me toquei. Ele íria me enrabar. Iria comer meu cuzinho. Deixar meu ânus larguinho.Eu ía ser sodomizada pelo meu tio.
A expectativa era maior do que o medo de sentir dor. Eu também queria saber como era a sensação de uma rola dentro de mim, do meu reto, enluvando toda aquela rola.
Ainda mais a rolona do meu tio Rafer.
Qual seria a sensação de uma coisa cilíndrica de musculo rijo, mas macio, deslizando suavemente da entrada do meu ânus, com meu esfíncter apertando-o como uma boca? Fazendo o percurso pelas paredes de tecido do túnel do meu reto até ele encostar a raiz do pênis na minha bunda.
E depois, fazendo o caminho de volta, disparando mil vibrações por toda rede nervosa do meu tunel até a boquinha do meu ânus.
Parei até de respirar e tive que me apoiar no corrimão. Meu pré-gozo começava a escorrer por entre minhas coxas.
Tio Rafer percebeu meu tremor e contemplava extasiadoas minhas polpas douradas de praia, e o "v" branquinho onde não estava bronzeado, no alto e na confluência dos bojos da minha bunda.
Colocou as duas mãos espalmadas em cada parte de minhas nádegas carnudas, separando-as e expondo meu cuzinho como um sol brilhante.
Então ele presta homenagem antes de deflorá-lo com o pênis, ele o faz com a língua.
Tio Rafer beija, chupa, lambe e lambe! Tenta enfia a língua, mas eu não estou totalmente relaxada.
Ordena delicadamente, para eu me tocar, acariciar meu grelinho e enfiar os dedos na minha alagada xaninha.
Ao mesmo tempo que faço isso, meu tio cola sua boca na entrada do meu cuzinho e o chupa como se estivesse fazendo isso com minha boca.
Ele pede que eu lhe dê os dedos da minha outra mão para ele chupá-los enquanto ele se levanta por trás de mim.  
Pegando meus cabelos, vira meu rosto e me beija enfiando parte de sua língua em minha boca. Eu, ávida e loucamente, lhe chupo o resto da língua até sentí-la toda em minha boca, quase me sufocando.
Enquanto me beija tio Rafer pega dois dos meus dedos que ele tinha chupado e direciona para a entrada do meu anelzinho.
Eu sabia que tinha de fazer. Passei o dedo mais longo ao redor do meu anus acariciando-o e sentindo meu esfincter se contrair e relaxar simultaneamente.
Eu estava prestes a me deflorar o ânus com meus dedos.
Não sei como descrever esta sensação de prazer físico e psicológico. Tio Rafer para me facilitar e sem deixar de me sugar a boca, me abre as nádegas e como um choque, não sei como, enfio metade de um dedo pra dentro do meu cuzinho e urro tão forte que nossas bocas se descolam e eu me curvo lançando minha bunda de encontro a virilha do tio Rafer!
Sem se mexer, meu tio põe dois de seus dedos em minha boca e manda eu salivá-los bastante. Eu já prevejo o que vai acontecer.
Me extasio ante o pensamento de ter os dedos de tio Rafer acariciando meu reto aveludado. Aveludado sim, pois eu já o sinto engolindo meu segundo dedo inteirinho.
Assim tenho meus dois dedos dentro da minha vagina, mais dois dentro do meu cuzinho e dois dedos do meu tio na minha boca.
Eu começo a me contorcer sinuosamente na expectativa dos dedos de tio Rafer invadirem minha bucetinha ou meu cuzinho.
Ele então tira os dedos de minha boca e a procura com sua boca colando seus lábios nos meus. Vai baixando sua mão até minha bunda e quando menciono de retirar meus dedos do meu cuzinho, ele segura minha mão lá e vagarosamente vai enfiando seu grosso dedo em meu ânus.
Eu arregalo os olhos de espanto enquanto seu dedão vai abrindo espaço entre meus dedos alargando minha entrada do cuzinho.
Sinto aquela sensação de entupimento, mas saborosa!
É como estivesse se aliviando da dor de barriga mas permanecendo como um nunca se acabar de uma coisa roliça que acaricia todo o feixe nervoso ao redor do tubo que vai acabar no ânus.
Tio Rafer introduz o seu segundo dedão junto com os meus no meu intumescido ânus.
Agora sinto algum leve esfacelamento da entradinha, mas não me incomodo. Sei que posso me dilatar ainda mais.
E lentamente meu tio começa um vai-vem em meu ânus. É como seus dois dedos junto com meus dois estivessem dançando uma lenta música, fazendo movimentos contorcionistas, tendo meu reto à abraçá-los.
Meus dedos dentro da minha xana sente essas contorções e começam a dançar também no ritmo.
Minha língua se enrosca na do meu tio embalada por esse ritmo lento que passados alguns minutos começam a se acelerar conduzidos pelos quatro dedos dentro de meu cuzinho.
Gozo! Eu gozo e gozo! Meu arfar é tão profundo que novamente descola minha boca da do meu tio Rafer.
Com a mão livre, meu tio consegue arrancar suas calças lançando seu caralhão prá fora, agarrando-o e fazendo o movimento masturbatório, que em segundos lança o primeiro jato de sêmem no ar.
Não me perguntem como, mas eu acho que faz parte de minha natureza em nunca deixar esperma se perder no espaço.
E como eu tinha as mãos ocupadas, me contorci o máximo que pude e com ajuda de meu tio me segurando firmemente pelo ânus, para eu não perder o equilíbrio, abocanhei aquela cabeça avermelhada do tamanho de uma bola de sinuca e a mamei como um bezerro faminto (aqui no caso, uma bezerrinha).
E meu tio se satisfez plenamente, me deixando ir com minha boca gulosa até a metade de sua pirocona, gozando imensamente. Ah! Maravilha das maravilhas!
Eu era femea completa. Eu sugava toda a essência, não somente do meu tio, mas de um macho que me fazia descobrir meus prazeres por todo meu corpo.
Parte do esperma eu engoli, sem saber como e tendo uma amostra do sabor. A outra parte vazava pelos meus lábios apertados e em volta daquela tora, escorrendo pelos lados de minha boca e meu queixo.
Gentilmente, tio Rafer desliza prá fora da minha boca a sua rolona, enquanto limpa minha boca e meu queixo.
E com a mistura de esperma e saliva que tem na mão, ele a distribui em redor da cabeçorra que dentro de segundos estará se aconchegando no de meu cuzinho.

***

HQ ERÓTICA

Lua de Mel Com o Caseiro do Meu Marido



***

O ÁLBUM DE CASAMENTO

Já pensou levar o fotógrafo para registrar a sua lua de mel? Isto pode ser muito excitante, como vocês podem conferir na história de Marcos e Marilia e o fotógrafo deles.




























***
FOTONOVELA

Uma lua de mel diferente

























***

HQ ERÓTICA

Ménage com os seguranças

Esta noivinha decidiu antecipar a lua de mel com os seguranças. Por isso que os casamentos costumam atrasar tanto...






























***

PIADA DE CORNO

Um casal, recém-casado, vai viver em sua nova casa e o marido diz:
Muito bem, mulher, as minhas regras são:
As segundas feiras, ir no cinema com os amigos, as terças eu vou beber um chopp com os colegas de trabalho, as quartas eu jogo vídeo game com os amigos, quintas, sextas e sábados vou para a balada com os meus colegas de colégio. Domingo eu durmo, porque é dia de descansar. É isso, você querendo ou não.
Ao que a esposinha nova responde:
Para mim só existe uma regra... Aqui em casa fode-se toda a noite, você estando ou não.


7 comentários:

  1. cada vez mais aquele história da mulher certinha acabou!

    http://www.tnaflix.com/group-sex/Ana-Maria-pornstar-gang-bang-from-argentina/video76859?ref=bw

    ResponderExcluir
  2. Gostei da revista. Só a piada achei desnecessária. Não acho legal desfazermos dos corninhos. Eles (nós) merecemos respeito.

    ResponderExcluir
  3. Parabens pela inovação, pelo novo jeito de fazer post.. nós blogueiros eróticos agradecemos.... Boa Iniciativa!!!!

    Já estou seguindo seu blog.. e toda molhada com essas revistas que acabei de ler nele...
    Beijinhos
    Celinha
    http://nossomundoliberal.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. >>> òtimo material.

    >>> Eu sou de Brasília-DF sou comedor de esposinhas. Adoro comer as esposinhas de meus amigos na frente deles. Adoro gozar dentro das bucetas casadas e mandar o corno limpar tudinho. Tenho 34 anos, qualquer casal que curta entre em contato comigo. ricardaodf@hotmail.com ou (61) 9100-8848

    ResponderExcluir
  5. >>> Eu sou de Brasília-DF sou comedor de esposinhas. Adoro comer as esposinhas de meus amigos na frente deles. Adoro gozar dentro da boca das casadas e mandar o corno limpar tudinho. Tenho 34 anos, qualquer casal que curta entre em contato comigo. ricardaodf@hotmail.com ou (61) 9100-8848.

    >>> O melhor horário para falar comigo é de Seg. a Sex. das 08hs as 18hs, pois nesse horário estou no trabalho e minha esposa não sabe que meto em bucetas casadas.

    >> OBS.: Favor não fiquem mandando mensagens para o meu celular, se quiserem me liguem pois sou comedor de esposinhas e não mensageiro. Curto real sou comedor nato.

    ResponderExcluir
  6. Sou o Marcelo de SP/ZN. 43 anos, casado e esposa não sabe, tenho 1,77 de alt e 90Kg, cabelos grisalhos e olhos castanhos. Sou uma pessoa simples, educado, não fumo, não uso drogas e bebo com moderação.
    Procuro pessoas descomplicadas e decididas a passarem momentos de prazer sem obrigações, deveres ou qualquer tipo de grude ou compromisso,
    Somente momentos com alegria, diversão, responsabilidade, respeito, carinho e sigilo.
    Busco mulher casada, liberada pelo marido, para sexo na presença dele ou com sua participação, que deseja apimentar a relação com outro homem, sem qualquer preconceito com relação a idade, raça ou aparência.
    Procuro pessoas honestas e sinceras querendo viver bons momentos.

    marcelo_mc5@hotmail.com
    (11) 98583-0212 (TIM)
    http://marcelomc5.blogspot.com.br/2013/01/comedor-fixo-em-sp.html

    ResponderExcluir
  7. >> A melhor posição que curto comer mulher de CORNO é a seguinte:

    O corno por baixo de sua mulher num 69, o CORNO chupando a bucetinha dela e eu metendo a pica pra dentro da bucetinha dela.

    >> Quero ser fixo de algum casal, pois quero gozar bastante dentro da sua esposa para você meu amigo degustar do sabor da minha porra de dentro da buceta da sua esposinha.

    >>> Eu sou de Ceilândia, Brasília-DF sou comedor de esposinhas, procuro casais liberais, casadas, noivas,namoradas e solteiras. Adoro comer as esposinhas dos meus amigos na frente deles. Adoro gozar dentro da boca das casadas e mandar o CORNO limpar tudinho. Tenho 35 anos, qualquer casal que curta entre em contato comigo.

    >>> fudedor.de.esposas.df@hotmail.com ou (61) 8456-6055 Operadora OI.


    >> OBS.: Favor não fiquem mandando mensagens para o meu celular, se quiserem me liguem pois sou comedor de esposinhas e não mensageiro. Curto real sou comedor nato.

    >>> FAVOR ME LIGUEM EM DIAS ÚTEIS POIS NÃO LEVO ESSE CELULAR PARA CASA.

    >>> Casais que procuram homem (macho) para sua mulher (esposinha) que sejam daqui do Distrito Federal ou que possam vir prá cá.

    ResponderExcluir